Acerca de

Robô

Inovação

Conselho de Inovação

A Rede Brasileira de Certificação, Pesquisa e Inovação promove por meio de seu Conselho de Inovação ações voltadas para o fortalecimento dos ambientes de inovação nacionais e internacionais, promovendo ecossistemas de inovação para entes públicos e privados.
 

Compete ao Conselho de Inovação:

I.    Buscar a formação de um ambiente internacional propício e consolidado aos Mecanismos para a Inovação;
II.    Interagir com as esferas governamentais nacionais e estrangeiras na busca de políticas de apoio e incentivo aos Mecanismos para a Inovação e às empresas e projetos por estes assistidos;
III.    Contribuir para a disseminação da cultura do Ecossistema de Inovação como instrumento de desenvolvimento social, econômico, científico e tecnológico de uma Região e do País;
IV.    Buscar perante as instituições de fomento, públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, a disponibilização de recursos e projetos para a Inovação;
V.    Propor e apoiar ações que sejam de interesse regional, nacional, ou internacional da RBCIP, como projetos relativos ao marco normativo, políticas públicas e providências de naturezas pontuais ou permanentes de interesse dos ambientes de Inovação;
VI.    Participar de fóruns, conselhos, organismos, entidades e grupos de trabalho que tenham como objetivo temas que promovam a Inovação;
VII.    Promover atividades de cooperação de interesse dos empreendimentos inovadores em especial para a promoção da educação digital e da acreditação regional;
VIII.    Expedir resoluções, atos, ofícios, correspondências e demais documentos do interesse do Conselho de Inovação;
IX.    Organizar e executar missões técnicas nacionais e internacionais;
X.    Apoiar e coordenar, no âmbito da RBCIP, as Redes Regionais ou Estaduais de Mecanismos para a Inovação;
XI.    Promover a construção de escritórios internacionais de inovação;
XII.    Realizar outras medidas correlatas às finalidades sociais da RBCIP.

Composição do Conselho de Inovação

O Conselho de Inovação é composto por membros titulares, nomeados pela Presidência da RBCIP, preferencialmente estes compondo-se, por membros vinculados ao poder público e/ou ao corpo docente da Rede das Instituições Federais de Ensino Superior e/ou grupos de pesquisa de Instituições de Ensino Superior e/ou membros da iniciativa privada com experiência nas áreas de educação, inovação, gestão e internacionalização.

Presidência

Presidente de honra

Conselheiros

  • Adi Balbinot Junior (Conselheiro) – Coordenador-Geral de Assuntos Internacionais da Educação Superior – Secretaria de Educação Superior -Ministério da Educação;

  • Aldira Samantha Garrido Teixeira (Conselheira) - Coordenadora do Programa de Residência em Enfermagem Obstétrica da Universidade Federal Fluminenses - UFF;

  • Filipe Guedes de Oliveira (Conselheiro) – Técnico de Gestão Educacional da Secretária de Educação do Distrito Federal - SEDF;

  • Gesil Sampaio Amarante Segundo (Conselheiro) - Presidente do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC);

  • Helena Cristina Carneiro Cavalcanti de Albuquerque (Conselheira) – Coordenadora-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior do INEP;

  • Juliano Bruno de Almeida Cardoso (Conselheiro) – Chefe da Coordenadoria de Avaliação e Desenvolvimento da Educação Superior Militar do Exército – Departamento de Educação e Cultura do Exército;

  • Marcelo Augusto Santos Turine (Conselheiro) - Reitor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul-UFMS;

  • Margareth de Fátima Formiga Melo Diniz (Conselheira) - Secretária de Ciência e Tecnologia da Prefeitura Municipal de João Pessoa/PB - SECITEC;

  • Maria de Fátima Ramos Brandão (Conselheira) – Docente fundadora do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília-UnB;

  • Michel Zanoni Camargo (Conselheiro) – Diretor de Relações Governamentais do grupo educacional YDUQS;

  • Norma Edith López Rolandi (Conselheira) - Directora General de Tercer Ciclo de Educación Escolar Básica y Educación Media - Ministerio de Educación y Ciencias – Paraguay;

  • Regina Aparecida Marques de Souza (Conselheira) - Coordenadora do Fórum Regional de Educação Infantil da Costa Leste;

  • Renata Guerra de Sá Cota (Conselheira) - Pró-Reitora Adjunta de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP;

  • Roberto de Souza Salles (Conselheiro) - Professor Doutor do Departamento de Microbiologia e Parasitologia do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense – UFF;

  • Rodrigo de Oliveira Santos Rossi (Conselheiro) - Coordenador de Desenvolvimento de Cooperação Técnica da Organização dos Estados Ibero-americanos-OEI;

  • Simone Perecmanis (Conselheira) - Diretora da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília-UnB;

  • Therezinha de Jesus Pinto Fraxe (Conselheira) - Vice-reitora da Universidade Federal do Amazonas-UFAM;

  • Vera Lucia Porto Romeu Junqueira (Conselheira) – Chefe da Divisão de Gestão de Inovação e Propriedade Intelectual do Instituto Tecnológico de Aeronáutica-ITA;

  • Vitor Hugo Vieira Lopes (Conselheiro) - Auditor Federal de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União (CGU); e

  • Wanda Aparecida Machado Hoffman (Conselheira) – Secretária Municipal de Educação da Prefeitura de São Carlos/SP;

Equipe Técnica

  • Lucas Miranda Sobral - Gerente Jurídico do Conselho de Inovação (OAB/AL 16.872).

Projetos Interinstitucionais

O principal objetivo do LabInova é fortalecer e apoiar professores e estudantes para ampliar o processo de ensino-aprendizagem com base no tripé Educação, Tecnologias e Inovação.


A partir do Programa Inovação Educação Conectada (PIEC) do Ministério da Educação (MEC), o LabInova vai oferecer cursos de formação para articuladores estaduais e locais de municípios 26 estados e do Distrito Federal. Os cursos são voltados no desenvolvimento de habilidades e competências requeridas para uma educação inclusiva e de excelência.
O Programa de Inovação Educação Conectada do MEC foi lançado em novembro de 2017 pelo Governo Federal e tem como objetivo apoiar a universalização do acesso à internet de alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na Educação Básica, para que o ambiente escolar esteja apto para receber a conexão de internet, fornecendo para tanto o conhecimento técnico necessário para tal atribuição. Além disto, o programa tem, ainda, o escopo de destinar aos professores a possibilidade de conhecerem novos conteúdos educacionais e proporcionar aos alunos o contato com novas tecnologias.
Com a instituição da Política de Inovação Educação Conectada, Lei 14.180, de 1o de Julho de 2021, o LabInova vem com um propósito muito maior de promover um modelo de disseminação da cultura de inovação com fins pedagógicos.

 

LOGO.png

Laboratório de Apoio à Inovação da Educação Básica do Brasil (LabInova).


Formado por especialistas da Educação, Tecnologias e Inovação, o Laboratório de Apoio à Inovação da Educação Básica do Brasil (LabInova) é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e será́ conduzido em parceria com a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e a Rede Brasileira de Certificação, Pesquisa e Inovação (RBCIP).


 

Laboratório de Criatividade e Inovação para a Educação Básica (LabCrie)


Tem como Objetivo-Geral apoiar, acompanhar e monitorar as estratégias para a efetiva implantação do Laboratório de Criatividade e Inovação para a Educação Básica - LABCRIE, quais sejam, espaços dinâmicos dedicados à formação continuada de professores da rede pública de ensino em inovação e tecnologias educacionais, onde eles se sintam à vontade para experimentar novos equipamentos, plataformas digitais e metodologias inovadoras que permitam desenvolver as competências necessárias para gerar inovação nas suas práticas pedagógicas, dos 26 estados e do Distrito Federal, por meio de um modelo de disseminação da cultura de inovação com fins pedagógicos.

Núcleos de Inovação Tecnológica

Buscando a necessidade de aprimorar os mecanismos institucionais de incentivo à inovação e á pesquisa científica e tecnológica, voltados ao ambiente produtivo e social, visando a aceleração do Desenvolvimento Regional. A Rede Brasileira de Certificação, Pesquisa e Inovação, criou o Núcleo de Inovação Tecnológica para o Desenvolvimento Regional e o Núcleo de Inovação Tecnológica de Desenvolvimento Educacional.

Parlamento de Inovação do Mercosul

O Parlamento de Inovação do Mercosul foi criado pelo Ministério da Educação do Paraguai em sua Presidência-Pró Tempore do Mercosul. Sua estrutura é composta por representações nacionais e internacionais, que tem como objetivo-gerais:

I – Promover ecossistemas de inovação; 
II – Impulsionar estudos e ações para fortalecer os Centros de Inovação Tecnológica.
III – Interagir com as esferas governamentais nacionais e internacionais na busca de políticas inovadoras de apoio e estímulo aos mecanismos de inovação; 
IV – Promover atividades de cooperação com empresas inovadoras em especial para a promoção da educação digital e de estratégias de acreditação regional;
V – Estimular o estudo do idioma, da literatura e da cultura nos países do Mercosul; 
VI - Promover práticas e permitir, ao corpo técnico e docente das Universidades que integram o presente Parlamento, o acesso as dependências e instalações dos departamentos específicos das instituições;
VII – Assegurar que os resultados obtidos nas investigações conjuntas sejam amplamente divulgados; e 
VIII – Elaborar planos de trabalho conjuntos para cada atividade de cooperação.

 

A Rede Brasileira de Certificação, Pesquisa e Inovação possui membros efetivos no Parlamento de Inovação do Mercosul por meio de seu Presidente e Vice-Presidente do Conselho de Inovação da Rede. Ambos possuem mandato de 05 (cinco) anos na referida estrutura.

Comitês Especiais

A Rede Brasileira de Certificação, Pesquisa e Inovação encontra-se presente em Comitês Especiais, implementados por entidades da Administração Pública e Privada, entre os quais destacam-se:

ufms-.png

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL

Comitê Especial de Biodefesa e Mapeamento Avo de Doenças Transmissíveis.

 

Grupo de Trabalho 1 (GT1): Formação de Recursos Humanos para Gestores em Saúde: desenvolver métodos, técnicas, processos e atividades educavas para formar novos profissionais de saúde com competências, habilidades e atitudes para atuar na biodefesa, na gestão de doenças transmissíveis, nas epidemias e catástrofes, visando oferecer educação permanente para os atuais quadros de recursos humanos da saúde, no sendo de aprofundar as competências de gestão, atenção e vigilância focadas na biodefesa.


Grupo de Trabalho 2 (GT2): Eixo 2 Transversal – Gestão e Governança: contribuir para a agregação de valor tanto nos produtos e entregas como na formação discente.


Grupo de Trabalho 3 (GT3): Modelagem Computacional para Dinâmica de Doenças: implementar modelos de informação que sejam capazes de prever, acompanhar e apoiar os gestores, tendo como substrato um modelo computacional e de ações céleres, que sejam capazes de comunicar rapidamente e intervir na realidade, proporcionando uma gestão eficiente na investigação de doenças e no combate de surtos.


Grupo de Trabalho 4 (GT4): Vigilância Epidemiológica: promover, por meio da Central de Diagnósticos das Faculdades de Enfermagem, Medicina e de Medicina Veterinária, estudos, soluções e diagnósticos para o controle e prevenção de doenças nacionais e internacionais.

 

Comitê Especial – Inovação Educação Conectada

O Comitê tem por objetivo viabilizar e elaborar uma proposta de projeto científico e tecnológico para os Planos Locais de Inovação no Programa Educação Conectada, a serem aplicados nas escolas da educação básica nos municípios do Brasil a fim de incrementar o fortalecimento de estruturas de formação, educação tecnológica, gestão, governança e ambientes de Inovação.

UFAM-Federal-University-of-Amazonas.jpg

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

 

Comitê Especial de Extensão Tecnológica - Indução digital para a promoção de ecossistemas rurais de inovação

O Comitê Especial tem como objetivo viabilizar a proposta de projetos que fortaleçam as ações dos organismos internacionais, órgãos públicos de educação, agricultura, pecuária e abastecimento nacionais e internacionais com uma ação integrada que subsidie os ambientes de ecossistemas rurais de inovação e de educação digital para o desenvolvimento das entidades vinculadas, com enfoque na construção de um projeto macro tendo como substrato um modelo estruturado de gestão e de ações céleres, que sejam capazes de comunicar rapidamente e intervir na realidade.